OFICINAS ABORDAM CUIDADOS COM FILHOS NOS CASOS DE DIVÓRCIO

Em 26 de dezembro de 1977, foi sancionada a Lei do Divórcio. Até então, o casamento era indissolúvel. Por décadas, a questão dividiu a população e o Congresso. Hoje, essa discussão legal está superada, mas há um ponto relacionado ao assunto que chama a atenção do Judiciário, na tentativa de contribuir para uma reflexão e busca de solução de conflitos. Trata-se das consequências para aos filhos, com o término definitivo do vínculo patrimonial, em razão de desentendimentos.

Para auxiliar os pais nesse contexto, o Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania de Belo Horizonte (Cejusc) realiza as Oficinas de Pais e Filhos, com temas relacionados à melhoria da comunicação e à coparentalidade. Nos dias 22 e 23 de fevereiro, serão realizadas duas oficinas pela manhã. Os pais participam em dias alternados. São 41 vagas, e o foco são os casais que estejam se separando ou com processos de guarda, convivência ou pensão. As oficinas estão sendo feitas mensalmente e de forma virtual para os adultos, apenas, e atendem tanto casos processuais quanto pré-processuais.

“O divórcio traz muitas mudanças para os filhos. Podem ocorrer novos relacionamentos, possível diminuição do convívio familiar, sem contar que serão dois lares, pelo menos. Damos uma atenção especial ao relacionamento com os filhos, que devem sempre ser respeitados e protegidos, para que não sejam afetados pelos conflitos intensos dos pais”, comentou o coordenador do Cejusc, juiz Clayton Rosa de Resende.

Interessados poderão se inscrever pelo e-mail: cejuscbh.mediação@tjmg.jus.br e informar meios de contato e nome. Em março, os encontros online serão nos dias 29 e 30.

Fonte: TJMG (19/02/2021)

você pode gostar também More from author

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.