PAIS PERDEM PODER FAMILIAR POR NEGLIGÊNCIA NOS CUIDADOS DE CRIANÇA

A 2a Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, por unanimidade, manteve a sentença proferida em 1a instancia, que decretou a destituição do poder familiar dos pais de criança de 2 anos, determinando que o acolhimento da mesma em instituição de abrigo social para menores.

MPDFT ajuizou ação contra os genitores, com pedido de liminar, narrando que a família é acompanhada pelo Conselho Tutelar de Santa Maria II desde 2012 e que no início de 2017 foram recebidas diversas denúncias de agressão física e psicológica praticadas em desfavor dos filhos, além de uso de bebida alcoólica de forma exagerada na residência, choro constante de criança e menores em idade escolar sem frequentar a escola. Reporta, ainda, terem sido informados pela delegacia local da instauração de inquérito para apurar a morte de outra criança filha do casal, vítima de agressões e maus tratos.

O pedido de urgência foi deferido e a criança foi colocada em acolhimento institucional.

Os pais defendem que a criança não se encontrava em situação de risco, e que estava sendo devidamente amamentada, processo que foi interrompido após sua colocação em lar de acolhimento. Afirmam que vivem em situação de pobreza, mas que isso não justifica a retirada dos pátrios poderes.

Contudo, tendo em vista as diversas ocorrências apuradas pelo Conselho Tutelar, bem como pela rede de proteção da criança, o juiz originário proferiu sentença mantendo a criança na instituição para a qual foi encaminhada, e decretando a destituição do poder familiar.

Os réus interpuseram recurso, mas os desembargadores entenderam que a sentença deveria ser integralmente mantida. O colegiado ponderou que a família foi acompanhada pelas instituições de proteção aos menores, mas os genitores não conseguiram implementar as medidas necessárias para garantir a proteção e demais cuidados devidos ao menor, e concluiu“Logo, a questão que conduziu o Juízo a quo a destituir o poder familiar dos Apelantes e determinar o cadastramento da criança em tela para adoção não se resume à pobreza alegada, mas a uma associação de elementos situacionais e estruturais da família correspondente e à indisponibilidade de os pais se organizarem física e mentalmente para assumirem de forma responsável os cuidados dos filhos.”

Processo em segredo de justiça.

você pode gostar também More from author

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.